Tecnologia

Internet das coisas: como as grandes empresas usam IoT

30 de outubro de 2020

A revolução tecnológica vem trazendo diversas inovações para o mercado, que podem causar grandes impactos na forma como os processos de qualquer ramo são executados. Entre as principais, podemos citar a Internet das Coisas (IoT), que foi criada com o intuito de aprimorar a eficiência das empresas, deixando de ser uma tendência e virando uma realidade.

Ela já está transformando a relação da tecnologia com a forma com que as pessoas interagem com o mundo, tendo em vista que cada dia mais aparecem novidades inseridas em meios de transporte, eletrodomésticos e demais itens que fazem parte do dia a dia da sociedade.

Quer entender melhor o que é a Internet das Coisas e como ela já está sendo aplicada? Então, continue sua leitura!

O que é a Internet das Coisas e como ela funciona?

A Internet das Coisas é a forma como os objetos físicos se conectam e se comunicam entre si e com os usuários, por meio de sensores inteligentes e sistemas que transmitem informações para uma rede. Isso quer dizer que os objetos são ligados entre si pela rede, onde trocam dados para simplificar ou criar várias ações. Para que essa aplicação funcione, existem alguns componentes que devem ser combinados: os dispositivos, a rede e um software de controle.

Atos do dia a dia se tornam inteligentes e têm suas funcionalidades aprimoradas por meio do cruzamento de dados. Um bom exemplo disso é quando um assistente virtual informa em quanto tempo você chegará ao seu destino simplesmente ao sentar em seu automóvel. Isso acontece em razão da interconectividade dos dispositivos inteligentes, que analisam diversos aspectos, como dia da semana, horário, localização do GPS, entre outros.

Como as grandes empresas têm aplicado a Internet das Coisas em seus processos?

Nos dias atuais, já é possível encontrar várias empresas que optaram por implementar a Internet das Coisas em seus processos. Conheça algumas delas a seguir!

Newatt

A plataforma da Newatt utiliza o machine learning, que diz respeito ao aprendizado automático. Por meio dele, a máquina identifica padrões e, dessa forma, consegue comunicar ao cliente sobre desperdícios de energia, enviando alertas por meio do aplicativo.

Além das vantagens diretas de diminuição de custos e aumento da eficiência operacional e energética, essa prática também contribui para a preservação do meio ambiente, proporciona um destaque da empresa entre os concorrentes e garante a elevação da competitividade no mercado.

Nest

A Nest é um outro exemplo de uso da Internet das Coisas em suas operações. Constituída em 2010, a companhia desenvolve dispositivos inteligentes para escritórios e casas. Os itens que geraram maior visibilidade são os detectores de fumaça e os termostatos, que se integram aos smartphones por intermédio de aplicativos próprios.

O termostato auxilia na monitoramento da temperatura do lugar de forma automática e pode, por exemplo, compreender as horas que o usuário costuma sair e chegar em sua residência, para realizar as adequações necessárias de acordo com essa rotina. Os detectores de fumaça usam luzes coloridas, notificações e mensagens de voz no smartphone para comunicar o usuário da identificação de fumadas, aumento brusco da temperatura e gases perigosos.

O uso dessas inovações tecnológicas colocou a empresa em uma posição de destaque no mercado, propiciando lucros relevantes.

FitBit

A empresa tem como atividade a produção de dispositivos com foco na saúde e no monitoramento de atividades físicas, por exemplo, pulseiras, balanças, relógios e demais itens inteligentes. Os dados obtidos com essas ferramentas, como a distância percorrida, os batimentos cardíacos, o peso, a quantidade de passos e demais, são sincronizados com o smartphone e podem ser compartilhados.

É uma maneira de o usuário motivar as pessoas próximas ou de elaborar desafios para elas, além de contribuir indiretamente para que outros consumidores adquiram os produtos da marca.

Tesla Motors

A Tesla é uma empresa especializada na criação de carros elétricos de alta performance. Os automóveis da marca são “high tech”, não somente em relação às baterias e aos mecanismo de recarga, mas também em relação ao poder do veículo de se conectar à internet para receber atualizações de sistema e de contar com vários sensores, por exemplo, os responsáveis por propiciar os dados de geolocalização.

Além disso, os carros da Tesla Motors estão se tornando cada dia mais preparados para funcionar de maneira autônoma. Isso porque a comunicação frequente com a internet vai ajudar o dispositivo do veículo nas atividades de condução. Por exemplo, uma central será capaz de comunicar em tempo real quais trajetos próximos estão com congestionamentos e, dessa forma, o software conseguirá definir a rota mais apropriada para aquela hora.

Philips Lighting

Um outro exemplo bastante rico é o da Philips. A empresa tem uma divisão que cria lâmpadas LED inteligentes. Conhecidas como Hue, elas podem ser configuradas pelo smartphone para alterar a intensidade e as cores da iluminação, com o intuito de deixar o ambiente mais aconchegante e apropriado para cada tipo de situação.

Agrosmart

A Agrosmart é uma empresa brasileira de agricultura digital com sede em Campinas, no interior de São Paulo, que busca mudar e se destacar nesse cenário por meio da aplicação da tecnologia da Internet das Coisas.

A companhia está desenvolvendo uma ferramenta que, ao se conectar com uma armadilha de pragas, vai auxiliar o produtor a aplicar o defensivo agrícola na hora correta e na quantidade ideal, para adquirir maior eficácia no combate às pragas, com custo reduzindo e com o mínimo de impacto ao meio ambiente.

Quando os sensores forem conectados aos sistemas, realizarão a coleta de dados, enviando-os para a internet, onde será feita o processamento das imagens, a contagem e a identificação das pragas.

De acordo com a quantidade encontrada por metro quadrado, será indicada, ou não, a aplicação de defensivos agrícolas. O estudo dessas informações chegará pronta ao agricultor por meio de um tablet, um smartphone ou outros dispositivos semelhantes.

Conseguiu entender melhor como funciona a Internet das Coisas e seus impactos em todas as áreas? Pelo fato de ser totalmente ligada à tecnologia, os riscos de ataques cibernéticos são muito maiores. Por isso, é muito importante considerar também estratégias preventivas e corretivas, principalmente nas questões relacionadas a proteção digital, segurança e privacidade dos dados.

Gostou deste conteúdo? Então, aproveite para assinar nossa newsletter e receber todos os conteúdos com exclusividade!